Fran Kirby: as aparências não precisam enganar

Imagina você vestir a camisa 10 da seleção do seu país, ser finalista da Ballon d’Or e ainda sentir que falta uma peça para seu quebra-cabeça se completar. Essa é a história de Fran Kirby, jogadora da Seleção Inglesa.

A imagem que chamou a atenção na classificação da Inglaterra às oitavas da Copa do Mundo Feminina, foi a do treinador Phil Neville consolando a jogadora. Era aniversário de morte de sua mãe, falecida há 11 anos.

Quando falamos da paixão de uma menina por futebol, ela geralmente se inicia pelo incentivo do pai. Mas não foi o que aconteceu com Fran. A mãe, Denise, sempre foi sua maior incentivadora.

Foi a mãe que a levou em cada treino do Reading, faça chuva ou faça sol. E mesmo que ela não quisesse, Denise a arrastava até o carro. Enquanto o pai nunca se importava, a mãe fez do futebol da filha sua prioridade.

Denise esteve tão presente em cada passo da carreira da filha, que foi no clube em que Fran treinava que se despediram. A mãe desmaiou durante uma sessão de feedback com o treinador de Kirby. Uma súbita hemorragia cerebral tirou a vida de sua mãe dias depois.

O luto tardio

Cada um lida com o luto de uma forma diferente. Kirby só sentiu a dor da perda e conseguiu falar sobre isso 3 anos depois. Eu poderia dizer que ela é minha jogadora favorita por jogar no Chelsea, mas assim como Fran, só alguns anos depois da perda consegui falar sobre a saudade da minha mãe.

Em depressão, a jogadora decidiu abandonar o futebol para se tornar uma “adolescente normal”. Mas a história de amor ao futebol que sua mãe a ensinou não poderia se encerrar assim. Ela chorou, lutou, curou e se reencontrou consigo e com o futebol.

Voltou a jogar pelo Reading em 2012 marcando 32 gols em 21 jogos para a equipe. Em 2014 se tornou a primeira jogadora a receber um contrato profissional do time. Um ano depois estaria disputando sua primeira Copa do Mundo e marcando o primeiro gol da seleção inglesa naquele Mundial. Em seguida acertou sua transferência para o Chelsea.

A lição de Kirby

Com a camisa do time londrino, Kirby conquistou taças e prêmios individuais importantes. Mas mesmo com a prateleira cheia, a jogadora se permitiu desabar. Sabia que vê-la conquistar tudo teria sido o momento mais importante da vida de sua mãe.

A história de superação de Kirby não é a lição mais bonita que ela poderia nos ensinar. A jogadora faz questão que sua história sirva para mostrar que não há problema em ser vulnerável às vezes. Em um emocionante relato ao The Players Tribune, a camisa 10 da seleção inglesa nos inspira da forma mais humana possível:

“Todos nós queremos ser perfeitos o tempo todo, ou pelo menos parecer perfeitos. Tudo bem ter problemas. Se você está passando por algo difícil, não há problema em sentir emoções, precisar de ajuda. Não finja que está tudo bem.

É sempre melhor se você é apenas honesto … não é?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *